últimos artigos

A Profecia e a maldiçāo dos filmes de terror


Considerado parte da tríade dos filmes de terror composta por O Bebê de Rosemary (Rosemary's Baby), de ​​1968, e O Exorcista (The Exorcist), de 1973, A Profecia foi abertamente influenciado por essas obras, como revelou o roteirista em uma entrevista à revista Rua Morgue. O filme, produzido por Harvey Bernhard, foi roteirizado por David Seltzer e dirigido por Richard Donner, e assim que lançado, no sexto dia do sexto mês de 1976, foi um grande sucesso. Com um orçamento de US$2,8 milhões, a produção lucrou US$60 milhões. O êxito chegou até a Academia também, pois em 1976, o filme venceu o Oscar de Melhor Trilha Sonora Original, destacando-se por seus cantos gregorianos nas cenas mais tensas. Com o sucesso, vieram mais três sequências, a primeira em 1978, Damien: A Profecia II, a segunda em 1981, A Profecia III: O Conflito Final, e A Profecia IV: O Despertar, em 1991. A franquia ainda contou com um remake de 2006, também escrito por David Seltzer.

Os textos bíblicos tiveram um papel importante na história, e parecem ter conquistado também os espectadores da época. Com o grande interesse por satanismo e ocultismo nos EUA, a história despertou a curiosidade no livro bíblico do Apocalipse, o que alavancou as vendas da Bíblia após o lançamento do filme. O marketing também foi bem-sucedido ao lançar a obra na data representante do número da besta.

Na profecia, o filho biológico de Robert é assassinado para que Damien chegue às mãos do embaixador dos Estados Unidos, assim o Anticristo se desenvolveria em meio à maior potência mundial. A Profecia brinca com a aparência de inocência de uma criança e com a dificuldade que os pais têm de perceber o mal em seus próprios filhos. Seu terror não é exatamente gráfico, e poupa o público de criaturas desfiguradas e jump scares. Aqui o medo está presente nos olhares das personagens, na trilha sonora sombria e intensa e na atmosfera assustadora criada pelos atores ao realmente acreditar que o Anticristo andava sobre a Terra. E diferentemente de seus predecessores, O Bebê de Rosemary e O Exorcista, A Profecia não busca um final feliz, muito pelo contrário: na trama, ao contrário de seus pais adotivos, Damien permanece vivo, e dessa vez ao lado do presidente dos Estados Unidos, totalmente livre e pronto para uma destruição a nível global. Mostrando, assim, em uma visão pessimista, que a humanidade está completamente perdida.


A história de A Profecia 


Às 6h da manhã do dia 6 de junho, Robert Thorn (Gregory Peck), é agraciado com o tão esperado nascimento de um filho. Sua felicidade, infelizmente, dura pouco, pois quando a enfermeira vem notificar a morte precoce da criança, ele sente a dor irreparável da perda. Tomado pelo desespero e pelo medo de que sua esposa, que já havia perdido outras crianças antes, nunca se recupere, Robert tem uma atitude impensável: por influência de um padre, ele adota um bebê nascido no mesmo horário para colocá-lo no lugar de seu filho, sem que Katherine (Lee Remick) saiba.

''Nesta noite, senhor Thorn, Deus lhe deu um filho.''

Após Robert aceitar o convite para ser embaixador dos Estados Unidos, sua família se muda de Roma para Londres. Durante os anos seguintes tudo ocorre bem, até cinco anos depois, na festa de aniversário de Damien (Harvey Spencer Stephens), quando a babá se enforca publicamente. A partir desse momento, o filho de Robert e Katherine leva o caos por onde passa, já dando sinais de ser o Anticristo. A trama segue com a chegada da babá misteriosa, a Sra. Baylock (Billie Whitelaw), que mesmo sem ter sido contratada por alguém da família, parece oferecer seu trabalho por livre e espontânea vontade, sendo acompanhada por um grande rottweiler. Nesse meio tempo, Thorn começa a ser perturbado por um padre chamado Brennan (Patrick Troughton), que afirma que a criança irá destruir a vida da família e de toda a humanidade.


Os eventos estranhos fazem a esposa de Robert duvidar gradualmente de sua sanidade, enquanto ele acredita se tratar de apenas uma sobrecarga emocional. Sua visão muda quando o fotógrafo Keith Jennings (David Warner) o alerta sobre a coincidência dos acidentes recentes com as fotos que tirou, e revela ter uma prévia de sua própria morte em uma de suas fotografias. Logo os dois partem para a Itália para tentar encontrar os registros de nascimento da criança e sua origem. Juntos eles visitam o mosteiro onde se encontra o padre Spiletto à beira da morte, mas antes de partir, o homem revela o cemitério em que a mãe biológica de Damien está enterrada. O que Robert e Keith não esperavam era que a mãe do garoto, na verdade, fosse um chacal, animal que em algumas culturas representa a magia, a má sorte e até a morte. O diabo, então, teria colocado sementes de seu filho no animal, dando origem, assim, à criança. Na mitologia egípcia, o chacal é a representação de Anúbis, deus dos mortos e da mumificação.

Após retornar à Inglaterra e saber da morte trágica e inesperada de sua esposa, ele parte para Israel na busca de uma ferramenta capaz de destruir o Anticristo, presenciando por lá uma segunda morte, desta vez de seu fiel companheiro de investigação e fotógrafo, morto decapitado, assim como previu a foto revelada. Mas embora tenha todas as provas possíveis, Robert se recusa a pensar no pequeno Damien como uma ameaça, até ver com seus próprios olhos a marca de nascença na cabeça da criança: 666. Então está decidido, ele resolve finalmente acabar com o garoto e salvar o mundo do apocalipse trazido pelo Anticristo.

Hollywood e a maldição dos filmes de terror


Como nas gravações de O Exorcista e Poltergeist, o elenco e a produção de A Profecia vivenciou alguns acontecimentos fatais no set de filmagens. E embora certas situações pareçam apenas uma boa jogada de marketing, a presença de coincidências macabras é, no mínimo, interessante.

Tudo começou quando Robert Mung, idealizador do filme, refletiu sobre a possibilidade do Anticristo estar andando na Terra no corpo de uma criança desconhecida. Ao achar a ideia promissora, ele procurou o produtor Harvey Berhan para uma reunião, e depois de algumas conversas acabou contratando David Seltzer para o roteiro. Seltzer se inspirou no livro The Late Great Planet Earth, de Hal Lindsey, para escrever o filme e o livro concomitantemente. 

Segundo o The New York Times, a obra foi o livro de não ficção mais vendido da década de 1970. A publicação foi responsável por apresentar uma introdução do apocalipse à população, pois retrata a linha de pensamento do dispensionalismo pré-milenista. Esse conceito interpreta os acontecimentos da Bíblia de forma literal, acreditando que seus dizeres são profecias que irão se concretizar com a volta de Cristo e o arrebatamento, que fará com que seus seguidores subam aos céus. O livro The Late Great Planet Earth faz um paralelo entre as profecias bíblicas e os acontecimentos dos anos 1970. No filme e também na obra de Hal Lindsey, os grandes sinais do fim do mundo seriam o retorno dos judeus à Terra Santa, em 1948, e a recuperação dos locais sagrados de Jerusalém, que ocorreu em 1967.

O problema é que Robert Mung teve uma intuição estranha desde o começo e alertou a todos sobre os perigos de gravar o filme. Segundo Robert, o Diabo impediria a todo custo que o filme fosse lançado. Mas ignorando os conselhos do amigo, o produtor decidiu seguir com o projeto, embora ele mesmo não deixasse de usar um crucifixo na gravação de todas as cenas.

As coisas começaram a dar errado no momento em que Gregory Peck assinou o contrato. Pouco tempo depois, seu filho suicidou-se com um tiro na cabeça, e mesmo em luto, o ator decidiu participar das filmagens. Mas a má sorte do ator não terminou por aí, isso porque quando Gregory fazia uma viagem, o avião em que ele estava foi atingido por um raio. Felizmente, o ator pousou em segurança, mas logo depois, por coincidência, o produtor Mace Neufeld estava com sua equipe quando seu avião foi atingido por um raio também. Na história, uma das personagens é quase morta quando tenta fugir de uma tempestade. 

Os incidentes, infelizmente, não pararam por aí, pois durante as filmagens, a aeronave que deveria ser usada pela equipe precisou transportar outro grupo. Mas durante o voo, alguns problemas técnicos comprometeram o avião, matando todos os passageiros a bordo. Ironicamente, a aeronave teria colidido com uma van que levava a esposa e filha do piloto do avião.

O hotel onde Richard Donner estava hospedado foi atacado a bomba, e também um restaurante no qual a equipe jantaria sofreu um atentado pelo IRA (Irish Republican Army), mas por sorte eles se atrasaram no dia. O ator que interpretou Damien, segundo o diretor, tinha a alma da personagem, e às vezes era difícil controlar o garotinho após as cenas mais intensas, como por exemplo quando os pais dele tentam levá-lo até a igreja. Segundo o diretor, Harvey começou a se debater e a agredir Gregory Peck, mesmo depois dele gritar "corta!".


No documentário 666: The Omen Revealed, os produtores falam que os animais também colaboraram com o clima tenso nas gravações. Durante a cena do cemitério, em que Robert e o fotógrafo são atacados pelos cães, o dublê da cena relatou que os animais, que eram muito dóceis, realmente começaram a atacá-lo e ele precisou levar 14 pontos. Outro caso bizarro aconteceu durante as filmagens no zoológico, na cena de ataque dos babuínos. Como eles precisavam que os animais atacassem o carro, a produção teve a ideia de colocar o babuíno chefe dentro do veículo junto com os protagonistas. O que eles não esperavam era que os animais ficassem tão descontrolados, por isso a reação de desespero dos atores em cena é real.

Toda a produção do filme passou a acreditar realmente na maldição; mesmo Lee Remick se recusou a fazer a cena em que cai do mezanino, pois temia pela própria vida. Dessa forma, a equipe precisou mudar todo o esquema de gravação para que a atriz não precisasse de fato cair em cena, mas sim, deslizar até bater em uma parede falsa.


Após o lançamento do filme, e do fim da maldição, como todos pensaram erroneamente, algo ainda mais chocante aconteceu: o designer de efeitos especiais John Richardson sofreu um acidente de carro na Holanda durante as filmagens de Uma ponte longe demais, com sua namorada, Liz Moore. A moça morreu decapitada, uma morte muito parecida com a cena da profecia em que a personagem Keith Jennings morre ao ter sua cabeça decepada por uma placa de vidro. Segundo John, ao sair do carro, ele percebeu que estava próximo ao quilômetro 66,6.

Damien foi o penúltimo trabalho de Harvey como ator. Talvez interpretar o lobo em pele de cordeiro tenha assustado demais o jovem para continuar sua carreira. Mas uma coisa é certa: se a intenção do Diabo era sabotar A Profecia, os acontecimentos estranhos, sejam eles verdadeiros ou não, apenas ajudaram a produção a se tornar um sucesso maior ainda e ser mundialmente conhecida como o filme mais amaldiçoado de todos os tempos. 

Referências

Comentários

Formulário para página de Contato (não remover)