últimos artigos

Da magia à sedução: a maldição do amor

 

"Há mais de duzentos anos as mulheres Owens eram responsabilizadas
por tudo que saísse errado na cidade."

O trecho acima é a primeira frase de um livro que conta uma história mágica em muitos sentidos. Publicado pela primeira vez em 1995, escrito pela autora Alice Hoffman, ganhou, em 1998, uma adaptação cinematográfica dirigida por Griffin Dunne e protagonizada por Sandra Bullock e Nicole Kidman. Da magia à sedução conta a história das irmãs Owens, Sally e Gillian, parte de uma família de bruxas que há gerações sofrem por uma maldição lançada pela sua própria ancestral, Maria Owens – condenada à forca em 1620, e abandonada pelo homem que lhe declarou amor eterno, um dos magistrados nos julgamentos das bruxas de Salem. Desesperada de amor, tristeza, raiva e solidão, Maria lançou um feitiço em si mesma para nunca mais amar novamente, mas, com tanto ressentimento, o feitiço se estendeu para além dela, fazendo com que todos os homens que ousassem se apaixonar por uma mulher Owens morresse horrivelmente, o que estendeu-se a suas descendentes, também amaldiçoadas, impossibilitadas de amar e, muitas vezes, que literalmente morriam de amor.

"Se ao menos pudesse acreditar que o amor seria a sua salvação, mas para ela esse desejo tinha sido arruinado. Considerava o anseio por alguém uma obsessão, o fervor da paixão uma preocupação abrasadora demais [...] Tudo isso servirá apenas para torná-la imune ao amor e, para falar a verdade, ela achava que isso provavelmente nunca iria mudar."

O livro e o filme não são iguais, afinal, são mídias diferentes, e o que funciona em um livro muitas vezes não funcionaria em uma obra cinematográfica. Mas apesar de contarem histórias levemente diferentes, ambos mostram a importância da união feminina, tocam em assuntos sérios (como a violência doméstica) e mostram que mesmo muitas vezes sendo assustador, é importante, saudável e especial se apaixonar, e que o amor é um sentimento pelo qual vale a pena lutar.

Da magia à sedução (1998)

Quando crianças, as irmãs Sally e Gillian se mudaram para a casa das tias, Fran (Stockard Channing) e Jet (Dianne Wiest), após perderem o pai, e logo depois a mãe, que não aguentou de tristeza e morreu de desgosto. Enquanto cresciam, as irmãs Owens observavam as mulheres da vizinhança irem atrás das tias, desesperadas de amor, querendo a todo custo seu "felizes para sempre". Ao passo que uma irmã deseja nunca se apaixonar, a outra mal podia esperar para que isso acontecesse. Mesmo sendo tão diferentes, as irmãs têm uma ligação única, e no decorrer dos anos e nos piores momentos, uma sempre vai poder contar com a outra.

"— Ele escutará meu chamado onde estiver. Ele vai assobiar minha música preferida. Vai saber andar a cavalo de trás para a frente. Ele consegue virar panquecas no ar. Ele será incrivelmente gentil. E a forma predileta dele será a de uma estrela. E ele terá um olho verde e um azul.

— Pensei que nunca quisesse se apaixonar.

— O homem que imaginei não existe. E se ele não existir, nunca vou morrer de amor."

Já adultas, Sally (Sandra Bullock) e Gillian (Nicole Kidman) vivem vidas diferentes, mas, mesmo distantes, ambas ainda possuem uma ligação inquebrável, a ponto de saberem que algo está errado com um simples pressentimento ou um toque de telefone.

Mesmo desejando nunca se apaixonar, o destino tinha outros planos, e Sally se casou e teve duas filhas, Kylie (Evan Rachel Wood) e Antonia (Alexandra Artrip). Ela vivia feliz com a família na ilha onde cresceu, até que, depois de ouvir o besouro que anuncia que a hora de seu amado morrer se aproxima, Sally perde o marido após ele ser atropelado, e nota que não há como fugir da maldição das Owens, então entra em depressão e se muda novamente com as filhas para a casa das tias.


Em contrapartida, Gillian está sofrendo nas mãos de um namorado abusivo, Jimmy Angelov (Goran Višnjić), e quando Sally vai ao seu socorro, as irmãs acabam o matando. Após tentarem trazê-lo de volta à vida, para que não sejam acusadas de assassinato, com direito a livro de feitiços das tias e pentagramas feitos com chantilly, Jimmy retorna do mundo dos mortos, mas pior do que antes, o que faz com que as irmãs tenham que matá-lo novamente e, dessa vez, elas o enterram no jardim, onde estranhamente uma roseira começa a crescer da noite para o dia, sapos passam a transitar livremente aos montes e um espírito parece voltar à vida à procura de vingança.

Quando as tias decidem partir em viagem para que Sally e Gillian "arrumem a bagunça que fizeram", o investigador Gary Hallett (Aidan Quinn) aparece à procura de Jimmy, e Sally não consegue entender a atração irresistível que sente por aquele homem que curiosamente possui um olho verde e outro azul e que sabe virar panquecas no ar.

"Kylie, preste atenção. Você alguma vez já abriu bem os braços e rodou, rodou, rodou muito rápido? Bem, amor é assim. Faz seu coração bater forte e vira seu mundo de cabeça pra baixo. Mas se não tomar cuidado e não olhar para algo parado, pode perder o equilíbrio, sabe?"

A dualidade com que as irmãs Sally e Gillian lidam com seus relacionamentos muito tem a ver com os traumas de suas gerações passadas e dialoga não apenas com a maldição das Owens, mas também como as mulheres em geral possuem traumas coletivos ou individuais a respeito do amor e que não necessariamente têm a ver com maldições. O medo de amar e perder que Sally sente se tornou realidade quando as tias, vendo como a sobrinha estava solitária e enxergando como Michael (Mark Feuerstein) estava apaixonado por ela, deram um "empurrãozinho" para que Sally se entregasse ao amor. 

O que elas não contavam era com que Sally de fato se apaixonasse por Michael. Quando ela o perdeu, se viu na mesma situação que a mãe muitos anos antes, com duas filhas e um coração partido pela perda de um amor verdadeiro. Gillian, ao contrário da irmã, viveu muitos amores, mas nunca se permitiu de verdade se entregar a nenhum deles, jamais ficando tempo suficiente para de fato amar e ser amada, deixando diversos corações partidos no seu caminho para não correr o risco de partir o seu próprio ao perder um grande amor. 

As próprias tias, Fran e Jet, também tiveram suas cotas de perdas e relacionamentos fracassados, e a forma com que elas conduzem os feitiços das mulheres da vizinhança, — muitas vezes alertando para o perigo de não necessariamente sentir, mas desejar possuir uma pessoa que pensa amar — diz muito sobre como, ainda que elas tenham o poder de conceder um "felizes para sempre", ambas conhecem os perigos de brincar com um sentimento tão poderoso quanto o amor. Como no caso da moça da farmácia, descrito no livro de Alice Hoffman, uma mulher solitária que desejava ter a todo custo o homem que ela achava amar mais do que qualquer coisa, mas que era casado. Depois de conseguir o que tanto queria com um feitiço das tias, que ambas alertaram não ter volta após feito, a moça percebeu que um amor fabricado pode se tornar uma obsessão que serve apenas para fazer a pessoa se machucar e viver em agonia. Aquele é um relacionamento tão abusivo quando o de Gillian e Jimmy Angelov, tanto que, em dado momento, Gillian precisa até mesmo usar de beladona para que seu parceiro adormeça e ela tenha um tempo para si mesma sem sua vigilância constante. Mesmo assim, Gillian sofre nas mãos de Jimmy; e se pode acontecer com uma bruxa poderosa, é de se imaginar o que muitas mulheres sofrem nas mãos de homens como ele no dia a dia.

The love witch (2016)

No filme The Love Witch, de 2016, dirigido por Anna Biller, conhecemos uma outra bruxa, desta vez Elaine (Samantha Robinson), que utiliza de seus feitiços para encontrar o que mais deseja, um verdadeiro amor. Com muita maestria, o filme mostra o caminho percorrido por Elaine nessa busca, e como há muito tempo ela foi condicionada a pensar que precisa ser a maior fantasia de um homem. Elaine também acredita que para ser feliz e completa ela precisa de um parceiro ao seu lado, mesmo que algo dentro dela sempre faça com que rejeite cada um deles. Todos os abusos e violências psicológicas que ela sofreu a levaram a se tornar não apenas a "bruxa do amor", mas também uma mulher que vive apenas para encontrar seu felizes para sempre. Os homens que aparecem em seu caminho ficam obcecados por ela, ao mesmo tempo que Elaine não consegue jamais encontrar o "homem perfeito" e se frustre ainda mais. Porque ao final das contas não existem homens perfeitos, assim como mulheres perfeitas são inexistentes, e muito menos bruxas perfeitas. Mas a verdade é que para uma mulher que sempre foi condicionada a esperar seu príncipe encantado, sempre haverá o medo da perda, de ser trocada tão facilmente ou de ser vista apenas como uma fantasia. Tudo isso faz com que amar demais pareça ser algo muito perigoso. A história de Sally e Gillian mostra que não é preciso ser uma bruxa para sentir esse medo; é preciso apenas ser humana.

Mesmo após tantas fofocas, brigas e desentendimentos, quando o espírito de Jimmy possui o corpo de Gillian, as mulheres da cidade vão ao seu encontro e se juntam para ajudar a exorcizar o espírito do namorado abusivo, tanto em vida quanto em morte, e fica claro que toda mulher é um pouquinho bruxa, mesmo que seja com pequenos pressentimentos do dia a dia, como quando uma mãe sabe que há algo errado com seu filho, pois como diz a própria Sally: "magia não é apenas feitiços e paixões".

"As bruxas são outsiders, e aqueles de nós que foram intimidados e condenados ao ostracismo podem se identificar com elas. Parte do nosso fascínio pelas bruxas é que elas são as únicas figuras femininas míticas que têm poder. São mulheres que não precisam ser resgatadas por príncipes ou por um rei, pois podem salvar a si mesmas, às vezes com uma pequena ajuda de uma irmã. As bruxas são mulheres de coragem, sábias e destemidas. Em suma, são tudo o que uma menina quer ser quando crescer."

(Alice Hoffman)







Arte em destaque: Mia Sodré 

Comentários

Formulário para página de Contato (não remover)