Os dias da rainha Elizabeth II no Brasil


Além das tramas contadas na série da Netflix, The Crown, um fato histórico no cenário político brasileiro em 1968 é pouco conhecido: a rainha Elizabeth II já visitou o Brasil. Em 1968, a rainha, na companhia de seu marido, o príncipe Phillip, esteve por 10 dias no país, entre 1 a 10 de novembro. Foi a única vez em que um monarca do império britânico visitou o Brasil. O itinerário incluiu poucas horas em Recife e Salvador, e a participação em inaugurações de marcos históricos em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, de onde, ao fim, seguiu para o Chile.

Em 1968, parando a Avenida Paulista com uma multidão curiosa, a rainha inaugurou o Museu De Arte de São Paulo, o MASP. Antes de ser esse marco icônico da cidade, o MASP se encontrava na sede dos Diários Associados, na Rua 7 de Abril, localizado no centro de São Paulo. Foi fundado em 1947 pelo empresário Assis Chateaubriand e pelo jornalista Pietro Maria Bardi. Chatô, como era conhecido, faleceu sete meses antes de ver o museu completo. Chateaubriand foi embaixador do Brasil no Reino Unido, de 1957 a 1961, um dos elos entre os dois países.  

A rainha em São Paulo. Acervo/Estadão

As obras de arte do MASP

No dia 8 de novembro de 1968, o Diário de São Paulo relatou a visita da rainha:

“A Rainha surpreende-se ao ver um quadro de Churchill... Adorou os Renoirs. Parou diante dos pintores ingleses, recebeu os cumprimentos dos pintores brasileiros, examinando também suas obras”.

A visita da rainha ao MASP, em 1968. Acervo/Estadão

O quadro que chamou atenção da rainha foi uma obra feita por Winston Churchill, o primeiro-ministro fundamental em uma das eras de seu reinado, figura próxima a um mestre, como vemos a série The Crown explorar. Por volta dos 40 anos, a grande figura política se viu em um desacelerar de sua carreira e, para lidar com a ansiedade, passou a pintar. Muitas de suas obras têm marcas impressionistas, um trabalho de observação intensa e exercício da memória. Ele levava bastante a sério a pintura, tendo criado por volta de 550 pinturas, e A sala azul de Trent Park, de 1934, é parte do acervo do MASP. 

A sala azul de Trent Park, de Winston Churchill (1934). Créditos: MASP

Além desse, a rainha ficou admirada com as obras de Pierre-Auguste Renoir, grande pintor francês impressionista do final do século XIX. O MASP tem por volta de 14 obras do artista, sendo Rosa e azul - As meninas Cahen d'Anvers (1881) a mais conhecida entre o público. 

Rosa e azul - as meninas Cahen d'Anvers, de Pierre-Auguste Renoir, 1811

Dentre os artistas que cumprimentaram a rainha estavam Tomie Ohtake, Maria Helena Chartuni, Caciporé Torres, Sheila Branningam, Nelson Leirner e Babalu.

“Dá-me muito prazer inaugurar este museu”, foram as palavras finais do discurso da rainha. O MASP foi aberto ao público apenas cinco meses depois, em 7 de abril de 1969.

A inauguração da ponte Rio-Niterói

A rainha também deu início às obras da Ponte Rio-Niterói, localizada em Ponta do Cujo, no dia 9 de novembro, em uma cerimônia que durou meia hora e com forte presença da polícia. 

O Estado de São Paulo noticiou o feito como "A ponte entre a Inglaterra e o Brasil", ressaltando os interesses políticos da ocasião, o que reforçava a ideia de valorização em torno dos policiais como autoridade. 

No site Rainhas Trágicas, Renato Drummond destaca a importância dos registros da imprensa desse período e a conexão com os tempos que antecederam o momento mais crítico da Ditadura Militar:

"Devido ao fato de que nos dias em que a soberana esteve no país ainda se havia alguma liberdade de imprensa (antes que o Ato Institucional n° 5 fosse definitivamente implantado), possuímos um vasto acervo documental sobre sua visita, tanto em revistas, como em jornais da época."

A visita e o destaque dado à realeza ia ao encontro dos objetivos de firmar as relações do governo com o mundo, além de apresentar a inauguração da ponte Rio-Niterói como sinônimo de sucesso dessa suposta reconstrução da nacionalidade brasileira, discurso tão comum à Ditadura Militar.  

Em visita ao Estádio do Maracanã, a rainha Elizabeth II e o príncipe Phillip posaram ao lado de Pelé, o que configurou mais uma foto de três figuras históricas, o que curiosamente faz dela algo forte entre as realezas, já que Pelé seria apelidado de o Rei do futebol.  

Encontro entre a rainha Elizabeth II, príncipe Phillip e o jogador de futebol Pelé. Acervo/Estadão

Vendo a cidade do alto: a rainha do Terraço Itália, em São Paulo. Acervo/Estadão

A rainha em seu discurso no Congresso Nacional, em Brasília

Referências bibliográficas



Texto: Marina Franconeti 

Comentários